PLANO CONTINGÊNCIA

LAR RESIDENCIAL

“CONSTRUIR SORRISOS”

1ª Revisão - 11 DE AGOSTO DE 2020


ÍNDICE

PARTE I

Introdução

1. Que é o Coronavírus?

1.1. Definição de Caso Suspeito

1.1.1. Transmissão da Infeção

1.2. Afetação de Colaboradores e previsão de Equipas de Substituição

1.2.1. Contatos da Equipas de Substituição

1.2.1.1. Contatos dos Colaboradores

2. Medidas Gerais para Reduzir o Risco de Transmissão de SARS-COV-2

2.1. Higiene, Limpeza, Desinfeção, Arrumos e Gestão dos Resíduos

  1. Higiene
  2. Limpeza e Desinfeção de Superfícies e Arrumos de Roupa
  3. Mudança de Roupa dos quartos
  4. Arrumo de Roupas
  5. Resíduos

3. Distanciamento Social, Concentração de pessoas e Ventilação dos Espaços

4. Visitas

5. Admissão de Novos Residentes

6. Casos Suspeitos/Confirmados de COVID-19

7. Comunicação de procedimentos definidos no Plano de Contingência

8.Deficiência Mental e as Consequências do Isolamento

8.1. Regras de Funcionamento da Sala de CAO

  1. Procedimentos de Saída do lar para a Sala CAO
  2. Procedimentos de Entrada no Lar vindos da Sala CAO
  3. Colaboradores
  4. Pessoas Externas
  5. Limpeza do Espaço e Casa de Banho

8.1.1. Caso Suspeito Cliente/Colaborador

PARTE II

1.   FLUXOGRAMA

2.      ALA NEGATIVOS

3.      ALA CINZENTA

4.      ALA POSITIVOS

Contatos Úteis

Conclusão

PARTE I

Introdução

O presente documento tem por objetivo definir diretrizes de atuação de forma a mitigar os efeitos de uma possível contaminação da população do Lar Residencial “Construir Sorrisos”, de acordo com as orientações tendo em conta a Fase de Mitigação.

O presente plano de contingência aplica-se a toda a população da Unidade e terceiros que se encontrem nas instalações da mesma. A elaboração deste Plano de Contingência no âmbito da infeção pelo novo Coronavírus SARS-CoV2, assim como os procedimentos a adotar perante um caso com sintomas desta infeção, devem seguir a informação disponibilizada nas orientações da DGS, nomeadamente a Norma 006/2020 de 26/02/2020, e Decreto-Lei n.º 135/2013, de 4 de outubro. Tal como as Orientações 009/2020, com atualização em 23/07/2020, Orientação 014/2020 de 21/03/2020, Informação 11/2020.

Toda a informação pode ser atualizada a qualquer momento, tendo em conta a evolução do quadro epidemiológico da doença.

  1. 1.O que é o coronavírus?

O Coronavírus pertence a uma família de vírus que causam infeções respiratórias. Alguns coronavírus podem causar síndromes respiratórias mais complicadas, como a Síndrome Respiratória Aguda Grave que ficou conhecida pela sigla SARS, da síndrome em inglês “SevereAcuteRespiratorySyndrome”. A nova estirpe de coronavírus, foi descoberta em 31/12/19 após casos registados na China, na cidade de Wuhan; até à data, nunca tinha sido identificado em Humanos. Inicialmente designada de 2019-nCov, foi posteriormente titulada pelo CoronaVirus Study Group, como SARS-CoV-2. Rapidamente demonstrou a sua capacidade de transmissão, sendo certa e inevitável a sua propagação global.

1.1. Definição de Caso Suspeito

De acordo com a Orientação n.º 006/2020 da DGS, considera-se caso suspeito, o seguinte:

Critérios Clínicos

Critérios Epidemiológicos

Infeção respiratória aguda (febre ou tosse ou dificuldade respiratória) requerendo ou não hospitalização

História de viagem para áreas com transmissão comunitária ativa nos 14 dias antes do início de sintomas OU Contacto com caso confirmado ou provável de infeção por SARS-CoV-2/COVID19, nos 14 dias antes do início dos sintomas OU Profissional de saúde ou pessoa que tenha estado numa instituição de saúde onde são tratados doentes com COVID-19

  1. 1.1.1.Transmissão da Infeção

Considera-se que a COVID-19 pode transmitir-se: - Por gotículas respiratórias (partículas superiores a 5 micra); - Pelo contacto direto com secreções infeciosas; - Por aerossóis em procedimentos terapêuticos que os produzem (inferiores a 1 mícron).

O atual conhecimento sobre a transmissão do SARS-CoV-2 é suportado no conhecimento sobre os primeiros casos de COVID-19 e sobre outros coronavírus do mesmo subgénero. A transmissão de pessoa para pessoa foi confirmada e julga-se que esta ocorre durante uma exposição próxima a pessoa com COVID-19, através da disseminação de gotículas respiratórias produzidas quando uma pessoa infetada tosse, espirra ou fala, as quais podem ser inaladas ou pousar na boca, nariz ou olhos de pessoas que estão próximas. O contacto das mãos com uma superfície ou objeto com o novo coronavírus e, em seguida, o contacto com as mucosas orais, nasal ou ocular (boca, nariz ou olhos), pode conduzir à transmissão da infeção. Até à data não existe vacina ou tratamento específico para esta infeção.

As medidas preventivas no âmbito da COVID-19 a implementar pela instituição têm em conta as vias de transmissão direta (via aérea e por contacto) e as vias de transmissão indireta (superfícies/objetos contaminados).

1.2. Afetação de Colaboradores e Previsão de Equipas de Substituição

Serviços/Atividades

Colaboradores em serviço

Colaboradores a garantirem a substituição

Diretora Técnica

Ana Cristina Saloio

Carla Romão

Enfermeira

Cátia Barreto

Mapa semanal

Tânia Tereso

Clínica do Bacelo

Ajudantes de lar

Susana Lagartixo

Wanessa Durgante

Ana Paula Caeiro

Sérgio Caldeira

Elisabete Setúbal

Patrícia Godinho

Anabela Graça

Emília Lopes

Sónia Niguez

Mapa Mensal

Monitores de CAO

Ajudante de Lar-Prestação de Serviço

Elisabete Felisberto

Mapa Mensal

Monitores de CAO

Podologista

Fátima Amaral

Mapa Mensal

Clínica do Bacelo

Médico

Jorge Arez

Mapa Mensal

Clínica do Bacelo

Psicóloga

Carla Romão

Carla Rocha

Animação Sócio-Cultural

Suspende

Subcontratado

Psicomotricidade

Cátia Martins

Reduz serviço

Cabeleireira

Suspende

Subcontratado

Psiquiatria

Articulação Vídeo chamada

Protocolo do Hospital de Évora

Nota: Os horários de trabalho serão revistos de acordo com a situação, devendo ser encontrados soluções para minimizar o risco e possibilitar o descanso dos colaboradores principalmente dos Ajudantes de lar.

1.2.1. Contatos das equipas de substituição ao Abrigo do Decreto lei 10/A-2020

Nome

Telemóvel

Francisca Catatão

928032728

Henrique Pires

964323226

José Manuel Brejo

917051128

Maria Amália Mira

919565637

Maria Fátima Nunes

968070371

Maria Lurdes Bombico

968457066

Paula Satiro

916910126

Rosa Arcado

966595814

Fátima Mendes

966419198

Nota: O critério de substituição será por ordem alfabética, de acordo com o número necessário para garantir o número mínimo de 2 pessoas por turno (M1-7h30 ás 16h; T1-16h às00h e N-00h às 7h30), em articulação com o Plano de Contingência da Unidade CAO M-o-N.

Os dados sobre os recursos humanos, tais como morada, contactos telefónicos, nº de dependentes, necessidades de saúde especiais estão documentadas no serviço administrativo da Cercimor (edifício do CRP).

Para o caso de necessidade de substituição de colaboradores foi organizado um pequeno Manual de Funcionamento, que consiste numa Ficha de Cliente especifica que apresenta de forma sintética o cliente: os seus gostos/interesses, medos, rituais e patologias, de forma a não existir corte na forma de cuidar/intervir com os clientes (IMP1), e Regras e Tarefas a realizar por Turno (IMP2).

Outro aspeto importante a considerar é o do fornecimento de recursos essenciais às atividades imprescindíveis de dar continuidade, sendo necessário identificar quais os fornecedores externos à instituição:

Atividade/Tipo de serviço

Fornecedor

Contatos

Medicação/Resíduos de Enfermagem

Farmácia da Stª Casa da Misericórdia M-o-N

266898410

Fornecimento das Refeições

Uniself +STª Casa da Misericórdia M-o-N

219739300/917764613

Produtos de higiene das instalações e Roupas

Recheio

SIQ, LDA

266780030

911146406

Produtos de equipamentos de proteção individual

MMCARE

MEDIRM

967037452

266403826

Resíduos Específicos COVID-19

Cannon

Nuno Monteiro

932603752

Desinfeção de Espaços

INTERPREV

266761203

1.2.1.1. Contactos dos Colaboradores

Nome

Função

Contatos

Ana Cristina saloio

DT

934848528

Carla Romão

Psicóloga

963707332

Cátia Martins

Psicomotricidade

969432909

Cátia Barreto

Enfermeira

963698039

Tânia Tereso

Enfermeira

927150307

Ana Paula Caeiro

Ajudante de lar

961570818

Sérgio Caldeira

Ajudante de lar

931173744

Elisabete Setúbal

Ajudante de lar

966554858

Sónia Niguez

Ajudante de lar

962777385

Emília Lopes

Ajudante de lar

967930198

Susana Lagartixo

Ajudante de lar

967716195

Patrícia Godinho

Ajudante de lar

967200966

Anabela Graça

Ajudante de lar

926505943

Wanessa Durgante

Ajudante de lar

962738694

Elisabete Felisberto

Ajudante de lar

963500716

Na fase de mitigação, importa reforçar as medidas de prevenção e controlo da infeção de forma a evitar, diminuir ou limitar o impacto da COVID-19 seguindo as orientações nos termos do Despacho no 4097-B/2020 de 2 de Abril

Medidas Gerais para Reduzir o Risco de Transmissão de SARS-COV-2

2.1. Higiene, Limpeza, Desinfeção e Gestão dos Resíduos

  1. A)Higiene

Desde o momento que se entra no Lar :

Obrigatório efetuar a desinfeção de sapatos, mãos e uso de máscara. Dentro do Lar em espaços comuns e locais próprios estão afixados cartazes explicativos das regras respiratórias, higienização de mãos e uso da máscara (anexo 1 da Orientação 009/2020)

Na entrada do Lar existem KIT equipados com: 1 Bata; 1 par de luvas, 1 Touca, 1 máscara N95 e protetores de sapatos para utilização de pessoas fora do serviço normal.

Em todo o espaço do Lar estão colocados dispensadores fixos com altura baixa, de SABA, para que com regularidade, seja procedido à desinfeção das mãos, assegurando também a proteção dos clientes.

Entrada de Colaboradores

- Todos os funcionários do Lar são obrigados a efetuar o procedimento de entrada e mudar de roupa e sapatos para iniciar o seu turno. A higiene dos uniformes é efetuada no Lar, após o turno (anexo2).

- Todos os funcionários medem a temperatura no inicio do turno e após o mesmo.

- Todos os colaboradores são aconselhados a permanecer no seu domicílio aquando do aparecimento de sintomas, não se apresentando ao serviço, informando a Diretora Técnica do Lar.

Entrada de Fornecedores/Serviços de Manutenção e Outros de Serviços Gerais e Produtos

- É obrigatório efetuar o procedimento de entrada para além de ser necessário usar: Bata, luvas, protetor de sapatos e medição de temperatura. É efetuado o registo de entrada (anexo3).

- Todos os produtos (embalados, alimentos, entre outros) que entram no Lar são desinfetados com a solução diluída (Hipoclorito de Sódio).

  1. Limpeza e Desinfeçãícies e Arrumos de Roupa

De acordo com orientação 14/2020 de 21/03/2020, a limpeza deve ser sempre húmida - não usar aspirador com saco, utilizar o filtro EPA , e o mesmo deve ser limpo após cada utilização com água corrente. Nas zonas comuns dar privilégio à utilização da mopa. A utilização dos equipamentos deve ser de acordo com a sua sinalização, e o carrinho de limpeza deve estar organizado. A limpeza deve ser realizada sempre no sentido de cima para baixo e, das áreas mais limpas, para as mais sujas: Paredes e teto (se necessário), superfícies acima do chão (bancadas, mesas, cadeiras, corrimão, outros) e chão, sendo este o último a limpar.

Os materiais de limpeza de acordo com a áreas a limpar (roupa, cozinha, casa de banho e quartos, salas comuns) devem estar devidamente fechados na sala de arrumos nº7 e em armários.

Os panos de limpeza, preferencialmente, devem ser de uso único e descartáveis (usar e deitar fora), mas no carrinho os panos estão diferenciados por cada área, de acordo com o nível de risco e colocados em caixas identificadas por cores.

São exemplos:

O das bancadas, mesas, cadeiras, cadeirões, entre outros: azul;

O das Mesas de refeição e áreas de preparação de alimentos: verde; O das Casas de banho: pano só para limpar o lavatório: amarelo; O pano para as sanitas (exterior): vermelho; A parte interior da sanita não precisa de pano. A sanita deve ser esfregada com o próprio piaçaba e com detergente de base desinfetante.

O balde e esfregona são diferentes, por exemplo: o balde e esfregona usados nas casas de banho, não devem ser usados nas áreas de alimentação, ou em outros espaços públicos.

Frequência de Limpeza: Os espaços comuns e equipamentos considerados de risco (puxadores de porta, cadeiras de refeitório, sofás e corrimão do lado exterior do Lar) são desinfetados uma vez por turno; o Chão deve-se lavar com água quente e detergente comum e de seguida desinfetar com a solução de lixívia diluída em água (hipoclorito de sódio) de acordo com as indicações do rótulo (colocar sempre o rótulo nos frascos com indicação de desinfetante de superfícies).

O registo da limpeza diária de espaços comuns deve ser efetuada no IMP3 afixado nos próprios locais, para além da folha de Turno diária.

A Preparação da solução de lixívia (hipoclorito de sódio) com concentração original de 5% ou mais de cloro livre, deve ser diluída na altura de utilizar. A solução diluída deve ser a 0,1%, na proporção de 1 parte de lixívia para 99 partes iguais de água (IT1).

Nota: Não deitar lixívia ou produto com amoníaco sobre a urina, porque provoca uma reação gasosa nociva para a saúde;

As partes metálicas das superfícies ou as que não são compatíveis com a lixívia, devem ser desinfetadas com álcool a 70%, para evitar a corrosão ou danificação.

Ao aplicar lixívia, abrir as janelas para arejar e renovar o ar, ajudando também a secar mais rapidamente as superfícies.

Quando se está a efetuar a limpeza devem ser colocados aventais descartáveis para evitar que os uniformes contactem com as zonas sujas, as luvas devem ser trocadas sempre que se efetua a limpeza, tal como, a máscara utilizada nesse procedimento.

Utilização da Zona da Copa

Quando se encontram na área da copa utilizar sempre os aventais descartáveis, touca, luvas descartáveis (IT2). O fornecimento da Alimentação confecionada, é da responsabilidade da empresa Uniself, tendo em conta a orientação 023/2020 de 8 de maio (anexo4).

Não esquecer que a máscara deve estar bem ajustada à face e deve ser mudada sempre que estiver húmida.

  1. C)Mudança de roupa dos quartos

Dado que a intervenção de mudança de roupa da cama, gera aerossóis, é aconselhável separar as duas intervenções: a limpeza e a muda de roupa, dando um tempo de espera entre estas duas tarefas

Assim deve efetuar-se em primeiro lugar o retirar de lençóis, roupas de cama e atoalhados, utilizando os seguintes EPI’S: bata, máscara FFP2 ou N95 e óculos que se encontram na sala de arrumos nº20. Os óculos devem ser desinfetados para novas utilizações nos turnos seguintes.

Ao remover a roupa de cama e atoalhados:

- Não agitar a roupa de cama;

- Retirá-la sem a sacudir, enrolando-a no sentido de dentro para fora, fazendo um “embrulho”;

- Não encostar a roupa ao corpo;

- Transportar as roupas e colocar diretamente na máquina de lavar;

- A roupa deve ser lavada à temperatura mais alta que puder suportar (dependendo da termo-resistência).

  1. D)Arrumo de Roupas

Tendo em conta o espaço existente na lavandaria, o circuito de roupas deve ser desencontrado, de forma temporal. Assim, a lavagem de roupas de cama, atoalhados e roupas pessoais do cliente são efetuadas no período da manhã e tarde, e são apenas arrumadas nos armários dos quartos de acordo com a necessidade de utilização para o resto do dia.

Todas as outras roupas são colocadas em armário fechado identificado (roupa a passar), para serem tratadas no turno da noite e devidamente arrumadas.

  1. E)Os Resíduos devem ser distinguidos de acordo com o risco.

Os resíduos recolhidos no quarto, devem ser acondicionados num primeiro saco bem fechado, que depois é depositado no 2.º saco. O 2.º saco deve ser identificado como resíduos biológicos.

Os resíduos, como as fraldas de doentes com COVID-19 são resíduos de grupo 3 (risco biológico), pelo que terão de ser encaminhados para unidade Cannon para o tratamento adequado. As fraldas usadas e outros resíduos de doentes com COVID-19 devem ser colocados todos juntos no mesmo contentor (tampa amarela e identificado com COVID-19), o qual se encontra na lavandaria, à exceção dos corto-perfurantes que têm de ir para contentor próprio (recipiente amarelo que está na sala de enfermagem) o qual é entregue na Farmácia da Stª Casa da Misericórdia de M-o-N.

As arrastadeiras, urinóis e bacias de higiene de doentes suspeitos ou confirmados de COVID-19, são lavados separadamente e desinfetados no próprio quarto do(s) doente(s) suspeito(s) ou confirmado(s) de infeção por SARS-CoV-2.

A limpeza deve ser feita, primeiro com água quente e detergente; depois desinfetar os materiais com solução de hipoclorito de sódio (lixívia), enxaguar em água corrente bem quente e colocar a escorrer, ao ar na casa de banho utilizada especificamente para os casos suspeitos ou positivos (ver ponto de Caso Suspeito e ou Positivo).

Os equipamentos (elevadores, cadeiras de rodas, andarilhos entre outros) que são usados por vários clientes são desinfetados após a sua utilização com a solução de hipoclorito de sódio.

3. Distanciamento Social, Concentração de Pessoas e Ventilação dos Espaços

O distanciamento entre as pessoas (1 a 2 metros) deve ser constantemente aconselhado aos clientes e colaboradores, com exceção da proximidade necessária para a prestação de cuidados.

Nos espaços comuns, nomeadamente na sala de refeitório, os turnos de refeição são efetuados em 2 momentos (anexo5); os sofás na sala de estar e sala de atividades (sala vermelha) devem estar separados pelo menos 1,5m para manter o distanciamento necessário, mas tendo sempre a atenção, aos clientes que utilizam cadeira de rodas e andarilho, para que seja assegurado o espaço de circulação e segurança.

Nos quartos duplos foram colocadas as mesas de cabeceiras juntas, por forma a garantir a separação necessária das camas.

De acordo com hábitos de alguns clientes e colaborares foi criado um espaço no exterior para o ato de Fumar (IT3), não podendo estar mais do que 2 pessoas nesse espaço, sendo necessário manter o distanciamento de 2 metros entre elas.

4. Visitas

Este ponto tem documento próprio anexado ao plano de Contingência (anexo 6)

Por deliberação do Conselho de Administração da Cercimor, do dia 30 de Junho de 2020, as Visitas estão suspensas.

5. Admissão de Novos Residentes

A admissão de novos residentes no Lar implica: Teste laboratorial para SARS-CoV-2 negativo; Avaliação clínica (Médico, Enfermeira) atestando inexistência de sinais e sintomas de infeção respiratória aguda à data da admissão; O novo cliente tem de cumprir à entrada um período de isolamento não inferior a 14 dias, no quarto individual nº17, o qual tem acesso à casa de banho que se encontra na ala desse quarto. Assim, o cliente que frequenta a mesma casa de banho deverá, neste período, ser encaminhado para outra casa de banho, de forma a garantir o isolamento desse espaço.

Em situações que o teste laboratorial não possa ser realizado antes da admissão no Lar, o novo residente deve ficar em isolamento até à realização do mesmo.

No dia da admissão no Lar não é permitida a entrada da família nem da equipa que acompanha o cliente. A reunião habitual de acolhimento será feita via telefone ou e-mail.

Os pertences do cliente, tais como, roupa, são lavados e desinfetados.

Os cuidados a ter por parte dos colaboradores, nomeadamente na utilização de EPIs, no contato com o novo residente é idêntico aos cuidados a ter no caso de um Caso Suspeito.

Situações em que os Residentes Saiam do Lar, por um Período Inferior a 24 horas

Para realizar tratamentos (por exemplo, hemodiálise) ou por necessitarem de assistência médica (por exemplo ida ao serviço de urgência), não é necessária a realização de teste laboratorial para SARS-CoV-2.

Nestes casos, o cliente, deverá cumprir um período de isolamento não inferior a 14 dias com monitorização diária de sintomas. Assim, será utilizado o quarto nº30, efetuando os procedimentos de entrada (anexo 7), retirando os clientes residentes nesse quarto para outro espaço (sala vermelha nº1 e ou sala nº34 ).

Caso seja necessário a utilização de transportes da Cercimor, é obrigatário cumprir com os procedimentos descritos no Plano de Contingência dos Serviços de Apoio (anexo 9).

Quando o Cliente tenha Estado Fora do Lar por Período Superior a 24 horas

Nestes casos compete ao hospital onde esteve internado a realização de teste para SARS-CoV-2 antes do regresso ao Lar.

No caso de necessidade de isolamento do cliente e sendo necessário contenção para proteção do próprio e dos outros clientes, será necessário contatar com a Equipa de Psiquiatria do HSE-266899410, Enfermeira de Referência Joana Rodrigues e Médica Rita Varela, dando a indicação da guia terapêutica e diagnóstico do cliente.

Caso o resultado do teste laboratorial para SARS-CoV-2 seja positivo e o cliente não tenha necessidade de internamento hospitalar, é contactada a Autoridade de Saúde Local territorialmente competente (Dr. Augusto Santana Brito) para os efeitos previstos no n. 1 alínea b) do Despacho 4097-B/2020, de 2 de abril. De forma a organizar conjuntamente com a Cercimor o isolamento e tratamento da situação, no espaço próprio-Ala Positivos ou local a definir pelas entidades competentes Concelhias, nomeadamente Câmara Municipal de Montemor-o-Novo (912262142/917892348) e Centro de Saúde de M-o-Novo (266899600) e Autoridade de Saúde(266730250).

6. Casos Suspeitos / Confirmados de COVID-19

A pessoa (cliente ou profissional) que seja identificada como caso suspeito deve ser isolada na casa de banho nº13 e assistida pelo responsável de turno (anexo 9).

Definição de Caso: Todas as pessoas que desenvolvam quadro respiratório agudo de tosse (persistente ou agravamento de tosse habitual), ou febre (temperatura 38.0oC), ou dispneia /dificuldade respiratória, são considerados casos suspeitos de COVID-19 (Norma 004/2020 da DGS).

Perante o caso suspeito de um Cliente, o responsável de turno deve colocar, logo antes de iniciar a assistência, uma máscara FFP2 ou N95, luvas descartáveis e bata (sala de arrumos nº20). Isolar de imediato o cliente na área designada para o efeito, tentar colocar máscara ou viseira no suspeito, caso o mesmo o permita e proceder à higienização das mãos.

Na área de isolamento, o colaborador deverá assegurar uma distância de segurança de 1 a 2 metros em relação ao cliente. Nesse espaço encontram-se os Kit de EPI’s necessários para o cliente e colaborador, mais uma garrafa de água e pacote de bolachas e um sofá.

Deverá, em seguida, efetuar-se os contactos para a Linha SNS24 (808 24 24 24); contactar a Diretora Técnica do Lar, a qual deverá efetuar contato com o médico de Apoio ao Lar (Dr. Jorge Arez) e Autoridade de Saúde Local (Dr. Augusto Santana Brito).

A saída do cliente para meio hospital, ou para Sala de Caso Positivo deve ser efetuada seguindo as setas afixadas, nomeadamente pela porta de acesso ao exterior do Lar (letra A).

Perante o caso suspeito de um Colaborador: o próprio deve dirigir-se para a sala de Isolamento (casa de banho nº13), colocar os EPI´S (bata, máscara FFP2 ou N95, efetuar a higienização da mãos e colocar luvas descartáveis) as quais se encontram no KIT. De acordo com a sua situação clínica, deve efetuar-se o contato com a Linha 24 e com a Diretora Técnica. Por decisão da DT os familiares mais próximos serão avisados pelo Lar. A saída do colaborador para o exterior segue o mesmo procedimento que um cliente.

Imediatamente após a saída do colaborador, esses espaços devem ser lavados e desinfetados segundo as regras de Limpeza apresentados no ponto 1 deste Plano.

A ocorrência de um caso positivo obriga a testar todos os outros clientes/colaboradores.

Quando ocorram casos positivos a limpeza e desinfeção do Lar é assegurada por empresa técnico-profissional especializada INTERPREV.

No caso positivo de um Colaborador, o mesmo só poderá regressar ao serviço após emissão de declaração médica atestando a recuperação de doença por COVID-19.

7. Comunicação de Procedimentos definidos no Plano de Contingência

Colaboradores de lar/Colaboradores de outras Unidades:

- As reuniões mensais regulares e outras extraordinárias, sempre que tais se justifiquem, serão realizadas através da plataforma Zoom, de forma a garantir o cumprimento de distanciamento entre os elementos da equipa.

- Será feito o envio do Plano de Contingência por email para os colaboradores e solicitada a assinatura de declaração de compromisso (anexo10).

- De acordo com os procedimentos da Cercimor todos os colaboradores da Instituição têm conhecimento dos vários Planos de Contingência das várias Unidades.

- Por turno, efetuam-se pequenas simulações dos circuitos e procedimentos a efetuar.

Clientes:

De acordo com a sua patologia do cliente, serão efetuados pequenos momentos de clarificação dos procedimentos, utilizando uma linguagem simples e acessível com suporte visual dos vários procedimentos e circuitos estabelecidos.

Família/ Parceiros e Comunidade:

Será efetuado o envio por email e ou CTT do Plano de Contingência do Lar para as famílias.

Considerando de extrema importância o contacto regular com as famílias, o Lar efetua vídeo chamadas, telefonemas, utiliza a página de Facebook da Cercimor e envia noticias das pequenas tarefas e atividades através da Newsletter.

Relativamente à relação das famílias com a instituição nos procedimentos administrativos e contabilístico, as famílias têm acesso ao Plano de Contingência dos Serviços Administrativos (anexo 11).

A comunicação do Plano de Contingência será efetuado por email para os parceiros institucionais e disponível no site da Cercimor - www-cercimor.pt.

8. Deficiência Mental e as consequências do isolamento

Além de transformar a rotina, o isolamento pode causar ou agravar problemas psicológicos.

Devido à Pandemia por Coronavirus, o Confinamento, o distanciamento social, a perda da rotina e a redução nas atividades físicas, transformou a nossa realidade.

Doença contagiosa e letal, sem vacinas e tratamentos eficazes até o momento, a principal recomendação dos órgãos de saúde é o distanciamento social. O vírus SARS-CoV-2 pode causar diversos danos em nosso corpo, principalmente no sistema respiratório. Mas, para além dos sintomas físicos, os efeitos da covid-19 e da quebra da rotina podem originar problemas psicológicos.

A curto prazo, as consequências começam pelo aumento da ansiedade, comportamentos de agressividade e apatia, pelo que a necessidade do aumento de medicação utilizada nos clientes pode vir a ser uma realidade.

A pensar no seu bem estar emocional e físico, e de acordo com as condições físicas da Instituição foi possível organizar um espaço que permite a 2 Monitores de CAO, com apoio da 1 Psicóloga e 1 Técnica de Psicomotridade, desenvolver durante a semana no período das 9h30 às 16h30 atividade lúdicas, ocupacionais e de reabilitação aos clientes de Lar.

A sala encontra-se sediada no espaço ao lado do edifício do Lar com a possibilidade de limitação de entradas e saídas de pessoas e viaturas, não existindo assim contactos com outras unidades.

O espaço encontra-se dividido por áreas que possibilitam dar privilégio a atividades individuais e aquando de atividades coletivas (não mais do que 5 clientes) estas são sempre efetuadas no exterior (ao ar livre). Estas atividades são programadas pela equipa, com carácter semanal com a participação dos clientes, tendo em conta os seus interesses e capacidades.

8.1 Regras de funcionamento da sala de CAO

A) Procedimentos de Saída do Lar para a Sala CAO

- A saída faz-se pela zona da Lavandaria pelas 9h20m. Cada cliente usa roupa leve e T-shirt azul com logótipo da Cercimor.

- De acordo com as suas patologias existem clientes que conseguem usar máscara ou viseira que colocam logo à saída do Lar.

B) Procedimentos de Entrada no Lar vindos da Sala CAO

- A entrada no Lar faz-se pela zona da lavandaria

Para o almoço: 1º Turno de almoço pelas 12h /2º Turno de almoço pelas 13h

- No exterior, junto à porta da lavandaria, faz-se a desinfeção de sapatos, cadeiras de rodas e andarilhos com solução de Hipoclorito de Sódio

- no interior da lavandaria, faz-se a lavagem das mãos, no tanque designado para o efeito e sob a supervisão de um colaborador

Após o término das atividades na Sala de CAO pelas 16h30, a entrada no Lar é efetuada pela zona da Lavandaria efetuando se novamente os procedimentos descritos anterior e é feito o encaminhamento dos clientes para a rotina diária dos banhos.

C) Colaboradores

Os colaboradores que desenvolvem atividade nesta sala efetuam obrigatoriamente os mesmos procedimentos de entrada específicos neste Plano no ponto 2.1

D) Pessoas Externas que necessitam de entrar na Sala CAO para efetuar Manutenção

Nesta situação deve privilegiar-se os horários de ausência dos clientes, caso não seja possível, é obrigatório efetuar desinfeção de sapatos, higienização das mãos e uso de máscara e bata, por parte dos funcionários. Após a referida manutenção, o espaço e equipamentos devem ser desinfetados, com a solução diluída (Hipoclorito de Sódio).

E) Limpeza do Espaço e Casa de Banho

A limpeza do espaço físico, tal como a casa de banho a utilizar durante o período de funcionamento da Sala, é da responsabilidade do serviço de limpeza da Cercimor, o qual efetua essa tarefa após o término das atividades, de acordo com o Plano de Contingência dos Serviços de Apoio (anexo 8).

8.1.1 Caso Suspeito Cliente/Colaborador

De acordo com a atividade da Sala, considerou-se necessário criar uma sala de isolamento para Caso Suspeito, devidamente identificada e equipada, sendo obrigatório seguir os mesmos procedimentos descritos no ponto 5, de forma a não ser necessário a deslocação do Cliente/Colaborador para a sala definida no interior do Lar

A saída dos Casos Suspeitos para meio hospital será efetuada pelo portão azul automático.

No caso positivo de Colaborador o mesmo só poderá regressar ao serviço após declaração médica atestando a recuperação de doença por COVID-19.

Assim sendo, são suspensas as atividades diárias Ocupacionais, confinando os restantes clientes no interior do Lar.

PARTE II

  1. 1.FLUXOGRAMA

Caso Suspeito(cliente)

                                   Testado no Lar e aguarda resultado (até 24h na sala de isolamento, mais do que 24h aguarda na Ala Cinzenta)

Testado no Hospital               Aguarda resultado no Lar na Ala Cinzenta  

                                 Negativo     (regressa a ALA     Negativos)

                              Positivo     (encaminhado para Ala Positivos)

Resultado Negativo       Positivo Grave     Positivo Ligeiro ou

                                               Assintomático

(regressa ao Lar - Ala       (após recuperação     (regressa ao Lar

Negativos ou Domicílio   regressa ao lar ou       Ala Positivos)

de Familiares)           Domicílio de familiares)

2.      ALA NEGATIVOS

Consideram-se as seguintes salas do Lar:

- Sala de Refeitório/Sala de Estar (Após transformação com divisórias em pladur poderá ser criado quartos para 5 clientes)

- Casa de banho dos auxiliares

- Sala de Material de limpeza

- Sala Nº34, transformada em quarto para 1 cliente

- Casa de Banho sem duche, junto ao refeitório

- Escritório e Sala de Enfermagem

- Copa

- Lavandaria para Negativos

- Casa de banho nº02, sem duche

- Sala nº 01, transformada em quarto para 2 clientes

- Casa de banho sem duche nº37

Os casos negativos e após definição da estratégia da Autoridade de Saúde Local, Equipa clínica do Lar e Diretora Técnica, poderão ser encaminhados para o domicílio de familiares que foram previamente informados, assumido pelos mesmos como possibilidade (anexo12), tendo em conta a autonomia do cliente e as condições habitacionais da família e situação sócio-profissional dos familiares. O Lar assume apoio nessas situações aos familiares: nas áreas da alimentação (caso seja necessário); medicação, apoio na higiene (caso necessário), e apoio emocional aquando do isolamento no domicílio. Este apoio no domicílio será articulado em conjunção com as unidades CAO de Montemor-o-Novo e CAO de Vendas Novas.

Nesta ala são assegurados os serviços de alimentação, medicação. Higiene pessoal ligeira, pois como não existe casa de banho com duche, o cliente terá de se deslocar ao WC identificado ao pé da Ala Cinzenta por WC Homens. Para tal, os procedimentos de saída do Lar seguem os procedimentos de Entrada e Saída para SALA CAO (ponto 8.1- Regras de Funcionamento da SALA CAO). Tal como todos os procedimentos apresentados na primeira parte deste Plano de Contingência.

3.ALA CINZENTA

Situada na SALA CAO, junto ao Lar, a qual suspende atividades, sempre que é ativo o Plano de Contingência.

Esta sala é criada para receber clientes:

- Caso Suspeito, que aguarda teste superior a 24h

- Caso Suspeito, que aguarda resultado vindo do Hospital

- Cliente em Isolamento Profilático

De acordo com o nº de clientes nesta Ala, serão efetuadas divisórias para delimitar espaços para colocação de camas provisórias. Dentro da sala serão colocados armários para colocação de roupa de cama, atoalhados e roupas pessoais dos clientes. A sala está equipada com ar condicionado de ventilação para o exterior que segue a IT4.

Os recursos humanos serão deslocados de acordo com o nº de clientes que permaneçam na Ala, apoiados pela enfermeira e médico do Lar, de acordos com as necessidades clínicas.

A sala nº1 serve para entrada de colaboradores, para mudança de vestuário e colocação de EPI’s e desinfeção. Entrada de alimentação e serviços de roupa e medicação. Nessa sala serão armazenados os materiais de limpeza e de desinfeção.

A sala nº2 serve para saída dos colaboradores, roupas e resíduos que são deslocados para o exterior pela porta B.

A entrada dos clientes é feita pela porta A.

Os procedimentos nesta Ala nos serviços de alimentação e higienização de espaço e roupas segue os procedimentos da Ala Positiva.

4.ALA POSITIVOS

Esta ALA é constituída pelos seguintes espaços:

- 6 Quartos duplos e 4 Quartos Individuais

- 7 casas de banho e 2 salas de arrumos

A porta nº 45 que dá acesso à Ala Negativos será fechada e vedada.

Será necessário a colocação de tenda no exterior do Lar ao pé da porta E, a qual será equipada com 1 cama e 1 cadeirão para colaboradores, 2 mesas e 4 cadeiras, um computador, um par de Walk tok (1 fica no interior do Lar), armário para os EPI’s (fato, luvas, óculos ou viseira, toucas, protetores de sapatos, máscaras FFP2 ou N95).

No exterior serão colocados cacifos de baixo do alpendre, para colocação de objetos pessoais dos colaboradores. Uma vez que na tenda e dentro da ALA não será possível a permanência deste tipo de objetos. No exterior do lar não são autorizados o parqueamento de qualquer viatura, exceto os de apoio de saúde.

A rampa da porta E será dividida por pladur definindo zona limpa e suja (direita limpa e esquerda suja)

Na entrada limpa será colocado um tapete com solução de Hiproclorito de Sódio, onde se colocará os protetores de sapatos.

De acordo com o nº de clientes positivos os recursos humanos serão deslocados para essa Ala não podendo efetuar escala nas outras Alas.

Existirá apoio 24h de enfermagem organizado pela Clínica do Bacelo sempre em articulação com o médico do Lar (Dr. Jorge Arez) ou outros das Unidades de Saúde de Montemor-o-Novo. De forma a avaliar diariamente a situação de saúde dos clientes, caso exista agravamento deverá ser contatado o 112, uma vez que o Lar não dispõe de equipamento de ventilação ou outros mais específicos.

Os turnos devem estar organizados de forma rotativa de apenas 4h consecutivas.

A saída dos colaboradores será pelo lado esquerdo da porta E (zona suja).

Na zona amarela, serão colocados em balde próprio os seus EPI’s e no recipiente com lixívia os óculos ou viseira, para reutilização dos mesmos, nesta zona.

Dentro da Ala encontra-se na sala de arrumos nº20 todos os produtos de higiene pessoal e EPI’S. Na sala de arrumos nº21 serão colocados produtos de higiene habitacional e equipamentos exclusivos para a limpeza e desinfeção da ala, seguindo as rotinas de funcionamento do lar e os pontos apresentados na Parte I deste Plano de Contingência.

Na mesma sala de arrumos irá estar material de apoio à alimentação descartável (plástico ou cartão), que após a sua utilização deve ser colocado em saco de lixo fechado com braçadeiras e colocado na zona suja exterior do lar.

Na sala identificada como Posto médico nº12 será guardada a medicação diária dos clientes que estão na ala e outros medicamentos necessários para outro tipo de intervenção (por decisão médica e de enfermagem).

A alimentação e de acordo com as rotinas (pequeno almoço, almoço e jantar) serão fornecidas pela zona limpa, devidamente acondicionadas.

As roupas de cama, atoalhados e roupa pessoal dos clientes serão lavadas no exterior do lar, na lavandaria criada para ala positiva a qual se encontra na sala das caldeiras do lar. Nesta lavandaria o colaborador, que será o mesmo que presta apoio à alimentação e fornecimentos de produtos para a ala, deve utilizar EPI’s tal como a pessoa que estiver de apoio a essa ALA. Esse equipamento deverá ser despido sempre que inicia uma nova tarefa, nomeadamente organização da roupa lavada. Nessa lavandaria existe 1 máquina de lavar para zona suja, e uma de secar, tábua, ferro de engomar, cestos e sacos de acondicionar a roupa e carrinho fechado, para que possa levar a roupa limpa para a zona limpa da ala. A roupa deve ser embalada e marcada com o nome do cliente, com indicação da hora e dia em que foi tratada.

Os resíduos biológicos da Ala Positiva seguem o seguinte procedimento:

- serão colocados num 1º saco, não muito cheio, fechado, e novamente colocado no 2º saco fechado com braçadeiras, o qual será levado para o exterior, para a zona suja e colocado em balde próprio, para ser recolhido pela empresa.

De referir, que a expressão “levar para o exterior” é apenas levar ao pé da porta, uma vez que o colaborador, durante as horas do seu turno, não poderá sair do espaço por razão alguma. Caso tenha de o fazer, por motivo imprescindível, deve proceder novamente a todo o processo de vestuário e desinfeção.

De acordo com as regras de proteção de dados serão colocadas mini câmaras em cada quarto, para visualização dos clientes durante o turno da noite.

Em cada turno, serão registado todos os sinais vitais do cliente, bem como, todos os processos executados no turno, na folha de Turno, e devidamente assinados pelo colaborador.

Após cada turno, o colaborador efetua a sua higienização na casa de banho ao pé da ala cinzenta, identificada por WC Senhora, e regressa ao cacifo para retirar os seus pertences.

Nas alas Positiva, Negativa e Cinzenta não estão autorizadas visitas do exterior, pelo que as famílias serão informadas sobre a evolução da situação, pelo Diretor Técnico do Lar ou Psicóloga.

De acordo com a evolução clínica, devidamente testada e após 2 teste negativos, o cliente poderá ser deslocado para a Ala Negativos ou domicílio de familiares.

Nota final: sempre que se recorra ao domicílio de familiares por parte do cliente, os clientes devem realizar teste e cumprir isolamento profilático na zona cinzenta ou quarto nº30, de acordo com a ativação ou não das Alas.

Deverão ser as autoridades competentes em articulação com a Direção clínica e Direção Técnica do Lar, a decidir o regresso do cliente ao Lar.

Contatos Úteis

Linha 24   808 24 24 24

Unidade Familiar Alcaides   266898906

Unidade Familiar Foral   266898900

Bombeiros   266899180

GNR   266898050

Farmácia Stª Casa Misericórdia M-o-N   266898410

Departamento de Psiquiatria de Évora 266740100

Autoridade de Saúde Évora (Delegado de Saúde da Região do Alentejo – Dr. Augusto Santana Brito) 266730250/967611198

Conclusão

A informação disponibilizada neste documento deverá ser aferida de 15 em 15 dias, efetuando-se a atualização de acordo com as orientações da DGS ou outras formas de comunicação oficiais. Será necessária a estreita articulação entre os serviços clínicos e de segurança da instituição e entidades locais de Saúde, ACEs e Saúde Pública. A divulgação de informação rigorosa e precisa, a vigilância de perto, dos casos suspeitos e a correta identificação dos casos de infeção real, permitirão, por certo, o controlo desta nova ameaça. A implementação deste plano visa acautelar e minimizar o impacto da Pandemia na situação clínica dos clientes e equipa.

Montemor -o-Novo, 17 de Agosto de 2020    

O Conselho de Administração da Cercimor

Publicação1

Dia 02 de Julho, pelas 17.30 horas, realizou-se a Assembleia Geral da CERCIMOR, desta vez num formato diferente do habitual, pela plataforma Zoom, de forma online, cumprindo com as regras de segurança de distanciamento social, ao qual a Pandemia nos obriga.
Nesta Assembleia para além dos pontos que estavam previsto serem discutidos e aprovados, o Conselho de Administração propôs um Voto de Louvor aos Diretores Técnicos/ Responsáveis de Serviço e suas Equipas e à Diretora Geral, pelo empenho e profissionalismo prestado à Instituição neste tempo controverso que temos vivido, voto este que foi aprovado por unanimidade pela Assembleia.
Obrigada a todos os presentes !!!

DIA INTERNACIONAL DA FAMILIA

"Dia Internacional da Família"
Esta é a representação da "GRANDE FAMÍLIA CERCIMOR" porque não existe câmara que consiga captar todos, somos realmente muitos …...esta família é constituída por colaboradores; ex-colaboradores; clientes; ex-clientes e por todos os que tem esta casa no seu coração <3
Neste tempo de saudades da presença física de todos, aqui fica uma homenagem sentida a esta "FAMÍLIA", aos que a protegeram e protegem todos os dias….
BEM HAJAM A TODOS
FAMÍLIA CERCIMOR

https://www.facebook.com/cercimor/videos/237728347298012/

"Dia Internacional da Família"
Hoje é dia de refletirmos sobre a importância da Família!
O conceito de família tem vindo a sofrer alterações e cada vez mais assistimos a diferentes formas de famílias.
Todas as famílias são diferentes, todas as famílias são especiais, todas as famílias têm hábitos estranhos e códigos que só eles entendem.
Mas de certeza que todas as famílias amam os seus, porque no fundo isto é ser Família.
A CERCIMOR deseja a todos um excelente Dia da Família !!!